Rodrigo Travitzki, 09/09/2009

“Mais um estudo comprova que a monogamia, além de dar muito menos trabalho, é uma qualidade evolucionista. Diane Doran-Sheehy, da Universidade de Stony Brook (NY) estudou os hábitos de gorilas do Congo e notou que diferentemente dos gorilas da montanha que procuram fêmeas em período de fertilidade, os primeiros procuram as fêmeas que têm um ranking social mais alto, mesmo ela estando fora do período de fertilidade.

Publicado no American Journal of Primatology, o estudo concluiu que é uma estratégia feminina, e a fêmea faz isso para preservar a sua prole, pois ao manter relações sexuais com o macho, mesmo após estarem grávidas, evitam que o parceiro procure outra fêmea, engravidando-a também, e com um menor número de filhotes o grupo passa a protegê-los melhor.

Leia tudo na CartaCapital.